• Ago : 11 : 2014 - Apelo ao boicote de alimentos com milho transgénico
  • Nov : 23 : 2011 - Petição pela salvaguarda das Sete Fontes
  • Jul : 6 : 2011 - Perigo para Paisagem Protegida Valongo
  • Jun : 17 : 2010 - Corte de Árvores na Circunvalação – resposta da C.M. Porto
  • Jun : 15 : 2010 - Corte de Árvores na Circunvalação

Data e hora: 3 de Outubro, às 17:30

Local: Junta de Freguesia de Paranhos (Rua de Álvaro de Castelões, 811)

Presenças: candidatos à CMP pelo BE (José Castro), CDU (Pedro Carvalho), PCTP/MRPP (João Pinto), PS (Manuel Correia Fernandes) e PSD/PP (Joaquim Poças Martins)


A Campo Aberto vai realizar, no próximo dia 3 de Outubro, às 17:30, na Junta de Freguesia de Paranhos, um debate com candidatos à Câmara Municipal do Porto.


Durante a primeira fase do debate, que durará cerca de 1h30m, os candidatos serão convidados a responder às perguntas que indicamos em baixo. Estas perguntas foram determinadas pela Campo Aberto com a colaboração de diversos cidadãos que nos enviaram propostas via internet.

Na segunda parte do debate, que decorrerá até cerca das 20:00, os candidatos responderão ainda a perguntas do público. As pessoas interessadas redigirão a sua pergunta numa folha entregue no início da sessão. Os moderadores vão recebendo as perguntas e agrupam-nas por temas para evitar repetições. Os moderadores darão a palavra ao público de acordo com a selecção feita. As perguntas serão feitas em conjuntos de quatro para optimizar o tempo de debate.


Perguntas seleccionadas pela Campo Aberto com a ajuda dos comentários feitos através da internet:


Intervenção inicial (4 min.)

  • Nesta intervenção inicial convidamos os candidatos a exporem as ideias que consideram mais importantes para a cidade. Gostaríamos contudo que, tendo em conta o enfoque que tem sido colocado na participação dos cidadãos ao longo da pré-campanha e na campanha eleitoral, nos explicassem de que forma tencionam manter esse espírito uma vez que sejam eleitos. Especificamente, de que modo vão aumentar a transparência das decisões da autarquia, facilitar o acesso à informação e promover uma gestão municipal mais participada? Por outro lado, de que forma irá o município do Porto dialogar com os municípios vizinhos e com as outras instituições relevantes da região e do país?


Urbanismo e reabilitação urbana (4 min.)

Colaboraram Cristina Montez e Maria Carvalho.

  • O Porto vive há cerca de vinte anos uma verdadeira sangria populacional que urge contrariar. Que medidas vão implementar para incentivar a reabilitação e a dinamização do centro da cidade? A título de exemplo, tencionam implementar algum tipo de medida fiscal, instrumento financeiro, ou de outro tipo, que possam ajudar a política de reabilitação? E em termos de dinamização e animação do centro da cidade, que ideias concretas pensam concretizar?


Espaços verdes (4 min.)

Colaboraram Ruben Azevedo, Marília Silva, Mafalda Ferreira e Jaime Matos Fernandes.

  • Nos últimos anos pouco ou nada se fez na cidade em termos de espaços verdes para além do Parque da Cidade.  Que política vão colocar em prática relativamente aos espaços verdes de proximidade, que são tão importantes em termos de qualidade de vida? Podem apresentar alguma proposta concreta?
  • Agora temas polémicos que estão na ordem do dia. Que solução preconizam para o Parque da Cidade (relativamente à frente de construção na Circunvalação e à passagem do metro) e para o Palácio de Cristal? Relativamente ao Parque Oriental, tencionam dar continuidade a este projecto? Que preconizam relativamente à Quinta da Prelada?


Mobilidade e espaço público de qualidade (4 min.)

Colaboraram Cristina Montez, Henrique Santos, José Nunes de Sá, Celeste Ramos, Manuel Soares e Nuno Gouveia.

  • A promoção de uma mobilidade sustentável é algo de que muito se ouve falar mas onde pouco se tem investido. Tendo em consideração o PDM e planos mais específicos como o Futuro Sustentável, o que vão fazer para promover a utilização de transporte público e de meios suaves como a bicicleta ou o andar a pé? Podem dar exemplos? Estamos a pensar, por exemplo, na construção de ciclovias, do aumento dos passeios e de medidas para evitar o excesso de velocidade dos automóveis.
  • Um conceito interessante é o de encarar o Porto como uma cidade para todas as idades. Que medidas concretas de desenho urbano (bancos, mesas, etc.) pretendem pôr em prática pela cidade de modo a tornar o espaço público mais agradável e confortável, especialmente a pensar nos cidadãos mais idosos?


Poluição, resíduos e ruído (4 min.)

Colaborou Celeste Ramos.

  • O Porto continua a ser uma cidade bastante suja e algo cinzenta. De que modo vão transformar o Porto numa cidade limpa? Pensam concretizar algum programa específico para limpar paredes e pintar edifícios?
  • Como vão reduzir os níveis elevados de ruído que se fazem sentir por exemplo no Parque da Cidade, na Baixa do Porto, na ribeira e em redor da VCI?

Imprimir esta página Imprimir esta página

Categorias: Eventos & Visitas

3 comentários até agora.

  1. Marília Silva diz:

    O meu nome aparece como tendo colaborado na questão Espaços Verdes. Não sei porquê pois, na verdade, a minha sugestão não está minimamente incluída, como se pode verificar pelo texto enviado, abaixo transcrito:
    “Em espaços verdes, soluções que preconiza para o Parque da Cidade, questionar também sobre o empreendimento “Porta do Parque” (lotes 21, 22 e 23) cuja construção está prevista para a frente nascente do parque da cidade.

    Nota: coloco esta questão porque tive conhecimento de que, moradores da zona, tencionam colocar uma providência cautelar, tendo em vista modificar a volumetria da construção, assim como a sua aproximação às respectivas casas.”

    #500

  2. jaime matos fernandes diz:

    Boa tarde,

    Durante muitos anos fui morador na R. Santa Luzia, junto à Igreja da Nossa Senhora do Porto. O parque de campismo da Quinta da Prelada faz parte do meu imaginário de criança. Foi durante muitos anos um pulmão daquela parte da cidade do Porto até ser atravessada pela VCI, aí começou o declínio.

    Sei que a referida quinta é propriedade da Santa Casa da Misericórdia do Porto. Há alguns muitos anos que noto que aquela mancha, que outrora fora densa, tem vindo a ser desbravada lentamente, como se uma doença degenerativa se tratasse. Não querendo fazer falsos juízos, sinto que é uma maneira de “matar” aquela mancha verde que ali existe há mais de 100 anos. Entretanto o parque de campismo fechou e a quinta encontra-se a um abandono que me entristecesse.

    Não sei que futuro tem a Santa Casa previsto para aquela propriedade, mas julgo que não será um final feliz. Gostava de saber se a C.M. Porto tem alguns planos para a referida quinta. Tem a CMP ferramentas de impedir que a quinta seja entregue a promotores imobiliários? Julgo que os moradores daquela parte da cidade agradeceriam que a quinta fosse transformada num (mini) parque da cidade. É escusado estar aqui a valorizar a Quinta da Prelada, pois qualquer dos leitores deste texto sabem o valor dela.

    Cumprimentos,
    jaime matos fernandes

  3. nunoquental diz:

    Cara Marília Silva
    O seu nome aparece como colaboradora porque fala no Parque da Cidade e a pergunta que se encontra na lista que propusemos refere-se precisamente no Parque da Cidade. A questão que levanta, dos lotes, é demasiado específica para poder ser levantada no debate, creio. Ainda assim, convidamo-la a estar presente. Haverá tempo para perguntas da assistência.

    Obrigado pela compreensão.
    Nuno Quental

Deixar comentário