• Abr : 24 : 2019 - Poluição Luminosa
  • Ago : 11 : 2014 - Apelo ao boicote de alimentos com milho transgénico
  • Nov : 23 : 2011 - Petição pela salvaguarda das Sete Fontes
  • Jul : 6 : 2011 - Perigo para Paisagem Protegida Valongo
  • Jun : 17 : 2010 - Corte de Árvores na Circunvalação – resposta da C.M. Porto

Por Alexandra Malheiro-Porto
No Público de 24.10.2007
«Há já mais de um ano que o Porto se viu privado da área verde e de calçada portuguesa naquela que é tida como a sua sala de visitas – a Avenida dos Aliados. Transformada que foi numa plataforma cinzenta, impessoal e fria – decerto belíssima em revistas de Arquitectura, ou não fosse ela assinada por Siza Vieira -, foi transmitida aos portuenses a ideia de que a aridez da reformulada avenida permitiria que o povo acorresse à mesma, às golfadas, aquando das grandes festividades da urbe; como, aliás, já ocorria apenas com manifestos danos para o relvado. Era então encontrada a higiénica solução para aglomerados na avenida!
Aos poucos, dois ou três envergonhados bancos de jardim foram plantados nos seus extremos e, a pouco e pouco, a população começou a fazer uso deles. Feia ou bonita, era atravessada diariamente por centenas de pessoas.
Eis senão quando a placa central da mesma se encontra intransitável, inusitadamente ocupada por um estaleiro gigante com o fim de construir uma igualmente agigantada árvore de Natal, visando tornar-se o megalómano vegetal metálico na mais alta árvore de Natal da Europa.
Não sei se é esperado um surto de turistas de toda a parte do mundo com o objectivo de mirar o mamarracho luminoso na época natalícia, mas o que me é dado ver é que o enorme esqueleto de metal já impede (e ainda vai a meio) a visualização do belo edifício da câmara, este sim, um símbolo da cidade e digno de visita nos roteiros culturais. O pouco espaço que sobra na placa encontra-se ocupado por uma barraca com o pomposo título “O Porto a Ler” que mais parece a liquidação total do fundo de catálogo da Editorial Caminho (sem desprimor para os escassos títulos que lá são vendidos).
Quando o estaleiro for retirado, a avenida estará irreconhecível, com um trambolho cuneiforme que há-de encantar gerações de europeus embasbacados. O bom gosto e o cuidado pelos ícones da Cultura impera. Sugiro que abaixo da arvorezinha se instale uma tenda de circo com palhaços e trapezistas!»

A ler: O impacte ambiental da maior árvore de Natal (metálica) da Europa…

Imprimir esta página Imprimir esta página

Categorias: Avenida dos Aliados

3 comentários até agora.

  1. Anonymous diz:

    Eu diria que é um gigantone com pés de barro, um mamarracho! É autenticamente uma “sala de visitas” altamente poluída e como tal sem graça. Aquilo parece a morada do “homem do saco” tão assustador se torna olhar para aquela abantesma! Até pode acontecer que uma vez iluminado o monstro se torne menos assustador, mas, para mim, “cheira-me” a que alguém se está a pôr em bicos de pés. riqismo

  2. antonio diz:

    Naquele que foi um nobre espaço agora vale tudo, até um carrocel eu já lá vi. Quanto aos palhaços esses ao menos ainda nos fazem rir porque o que dá vontade é de chorar.

    Saudações, antonio

  3. bragança ! diz:

    escrevi hoje sobre isso no meu blog.

Deixar comentário