• Ago : 11 : 2014 - Apelo ao boicote de alimentos com milho transgénico
  • Nov : 23 : 2011 - Petição pela salvaguarda das Sete Fontes
  • Jul : 6 : 2011 - Perigo para Paisagem Protegida Valongo
  • Jun : 17 : 2010 - Corte de Árvores na Circunvalação – resposta da C.M. Porto
  • Jun : 15 : 2010 - Corte de Árvores na Circunvalação

[Esta lista tem actualmente cerca de 380 participantes inscritos.]

Campo Aberto – associação de defesa do ambiente

www.campoaberto.pt
campo-aberto.blogspot.com

Apartado 5052
4018-001 Porto
telefax 22 975 9592
contacto@campoaberto.pt

======================
Caro Leitor do Boletim Diário PNED:

Se ainda não o é, e se concorda, ainda que apenas em parte, com o que
é e faz a Campo Aberto, e se julga útil apoiá-la, faça-se sócio!

Em alternativa assine a revista Ar Livre (que os sócios também
recebem).

Peça informações:
campo_aberto@oninet.pt

==========================

BOLETIM PORTO E NOROESTE EM DEBATE
resumo das notícias de ambiente e urbanismo em linha

Terça-feira, 2 de Maio de 2006

==========================

Para os textos integrais das notícias consultar as ligações indicadas.

==========================
==========================
Opinião 1: As estradas e o interior

O primeiro-ministro sugeriu ao país desfavorecido e desertificado que
o caminho da salvação se faz através das auto-estradas e dos
itinerários principais ou complementares. Percebe-se: avaliando o
muito que se prometeu e o pouco que se fez nos últimos 20 anos, já
nada resta para alimentar a vaga ideia da sustentação das zonas
rurais a não ser o milagre do emprego e do investimento público. Mas
por muito que a mensagem tranquilize autarcas e afague a sensação de
esquecimewnto e abandono da população, as estradas não passam de uma
miragem de desenvolvimento. Implicam gastos vultuosos e não resolvem
o problema de fundo. A experiência de Trás-os-Montes mostra que o seu
principal eixo rodoviário, o IP4, tem beneficiado os principais pólos
urbanos e remetido as aldeias e as vilas mais frágeis para um
irreversível processo de desertificação. Em vez de contribuir para a
dinamização das economias rurais, as estradas têm acelerado a sua
agonia.

Prometer 1500 milhões de euros de alcatrão e com isso apregoar uma
revolução – como o fez por estes dias, em Bragança, José Sócrates –
só pode compreender-se como um reflexo emocional , ou como uma
tentativa de esvaziar a contestação ao fecho de serviços publicos.
(…) Se não se questiona a construção do IC5, que vai desencravar
uma importante parcela do território que vai até Miranda do Douro, se
é hoje evidente que o fluxo de tráfego entre Vila Real e Amarante
exige uma auto-estrada e um túnel, não se entende por que é que,
entre outras perplexidades, se vão gastar 80 milhões de euros a ligar
Amarante à Régua. Para além dos custos, e esquecendo o facto de haver
uma alternativa por auto-estrada, esta ligação do IC26 comporta outro
pesadelo: a destruição de uma parte da paisagem do Douro histórico.

Mais do que o festival de desperdício que o Governo teima em
alimentar – um festival que teve o seu ponto alto com a construção da
A7, uma auto-estrada imponente e caríssima que liga Vila do Conde a
Vila Pouca de Aguiar, cujo troço final entre Fafe e Vila Pouca só
rasga e atravessa montanhas sem que se veja a sua utilidade -, o
interior precisa de aprender a aproveitar o seu potencial. A sua
floresta, os seus recursos naturais, as suas produções agrícolas de
elevada qualidade, a sua vocação turística. Precisa de perceber por
que é que são os espanhóis que estão a tomar conta dos rebanhos de
ovelhas e cabras do Douro Superior. Precisa de definir o papel de
cada vila e de cada cidade no contexto das redes regionais. Precisa
de ter instâncias regionais com pensamento próprio e meios de
actuação e políticas nacionais, no Ambiente, na Agricultura ou na
Economia, que se ajustem aos seus problemas e necessidades. (…)

Involuntariamente, talvez, [o Governo] repete a receita que levou o
país rural ao estado em que se encontra.

Manuel Carvalho – Editorial do Público

==========================
Opinião 2: Brincar com o fogo

A geral desarrumação do território, facilmente constatável, tem entre
nós consequências imprevistas. Os fogos florestais e rurais em plena
área urbana ou suburbana manifestaram-se nos últimos anos com
incidência e gravidade inusitada – a Área Metropolitana do Porto tem
sido afectada seriamente. Quem não se lembra, nos verões passados,
das cinzas espalhadas na atmosfera, descendo sobre os engarrafamentos
automóveis da cidade Invicta, resíduos incómodos dos incêndios nas
matas de Gondomar, de Paredes, de Valongo, de Gaia? Um anel de chamas
circundou o Porto há um ano – como as fotografias dos satélites
documentam tragicamente.

Essas ocorrências lembram-nos de que existem ainda vastas áreas
verdes dentro da urbe, em pleno Grande Porto. E, por outro lado, dão-
nos conta de uma dramática acumulação de erros, de imprevidências, de
incúrias. Como nos habituámos a não pensar as coisas de forma
integrada, podíamos ser tentados a classificar esses fogos como
fenómenos isolados, acidentes que o destino nos ofertou, sem remédio
nem culpa.

Mas a verdade fala mais alto, apesar de tudo. As imediações rurais
ardem porque o território se confundiu entre desordenamento e puro
caos – porque em última análise falharam as fórmulas usuais de
planeamento urbanístico, ou daquilo que passa com esse nome.

O pior é que, pelo andar da carruagem, nada nos garante que algo
tenha mudado. As causas continuam no terreno, firmes como rochas.
Ninguém vê que as autarquias tenham mudado de rumo no tocante a
permitirem tanta dispersão urbana inútil, tanto avanço da construção
sobre o que resta das reservas agrícolas e ecológicas. Quando seria
preciso consolidar e melhorar os perímetros urbanos que já existem,
em nome de critérios ambientais e de mera racionalidade económica
(nem quando o fogo se aproxima de urbanizações densas, nos lembramos
disso).

O desprezo pelo mundo rural que subsiste nos interstícios da grande
conurbação urbana, não consta que seja menos evidente. E quanto às
matas, onde estão, se é que estão, os planos de prevenção e combate,
o fomento do associativismo florestal, a penalização do abandono, a
eliminação das lixeiras, a punição do foguetório e da churrascada no
meio das matas? Nem vale a pena falar da gestão inteligente da
floresta, com preferência por espécies menos combustíveis e
ecologicamente melhor adaptadas, ou da proibição da construção
isolada em áreas florestais-um problema acrescido para quem combate o
fogo!

Tudo isso resta por fazer? Bem gostaria de me enganar. Convém dizer-
se que, muitas vezes, para alguns autarcas, essas zonas de matos e
débil exploração silvícola, pouco mais representam do que locais
expectantes – aguardando o loteamento e a ” valorização”. Coisa que
se verifica não raramente, se pensarmos em extensas áreas bem perto
dos grandes núcleos urbanos (por cá, o que é rural só é tolerado no
interior do país. No litoral, outros valores se alevantam).

Anunciaram-se novas estratégias, e nova táctica, para o combate aos
fogos florestais. Prioridade ao combate em terra e no ar aos fogos
nascentes, enquanto ainda controláveis. Mais grupos de sapadores no
terreno, com mais meios, em vez de tanto amadorismo e dispersão.
Parece ser esse o melhor caminho. Mas pouco se adiantará se, todo o
ano, não houver prevenção e antecipação – o que começa e acaba no
ordenamento do território.

Essa devia ser tarefa primordial das autarquias e função inalienável
da Junta Metropolitana. Estão em causa os pulmões de uma vastíssima
zona densamente povoada. Convém que não sejam destruídos, pelo galope
do fogo ou pela voragem do cimento.

Bernardino Guimarães

http://jn.sapo.pt/2006/05/02/porto/brincar_o_fogo.html

==========================
Porto: Parque em Gondarém não reúne consenso

A Rua de Gondarém vai receber um parque de estacionamento
subterrâneo. A construção e a exploração do aparcamento na Foz
deverão ser adjudicadas, hoje de manhã, pela Câmara do Porto. Mas o
equipamento não reúne consenso entre os moradores e os comerciantes
da artéria.

Desde que foi conhecida, em Março de 2004, a vontade da Autarquia de
rasgar um espaço de estacionamento (com três pisos enterrados para
210 viaturas), vários moradores e comerciantes da Rua de Gondarém têm
manifestado a sua oposição ao projecto. A contestação chegou à
Câmara, tendo sido lançado um abaixo-assinado. No entanto, o concurso
público para a concessão da construção e da exploração acabaria por
ser aberto em Julho de 2004. A decisão de adjudicar a execução do
equipamento ao consórcio FDO Construções e Alberto Couto Alves
Construções (houve apenas dois concorrentes) data de 22 de Dezembro
de 2004. Só um ano e quatro meses depois é que a Câmara se prepara
para concretizar a adjudicação da obra, com o direito de exploração
por 20 anos. A Autarquia receberá uma mensalidade de 2500 euros.

O parque ficará sob a Rua de Gondarém, entre as ruas da Agra e do
Padrão. A intervenção prolongar-se-á durante sete meses (214 dias).
As árvores terão de ser removidas. Uma condição que desagrada a
Manuel Ferreira, morador há 60 anos em Gondarém e proprietário da
Padaria Formosa, embora esteja prevista a plantação de 20 espécies de
médio porte. “Há imensa gente da Rua de Gondarém que não quer este
parque. Tenho pena que estas árvores centenárias desapareçam. É um
crime retirá-las. Não quer dizer que o parque não seja bom, mas vai
ter serventia sazonal. No Verão, as pessoas poderão colocar os
automóveis no parque, mas, no Inverno, ninguém vem passear para a
Foz. Não há necessidade de mexer na rua, que é muito bonita”,
considera Manuel Ferreira. O projecto está a dividir opiniões.

Há também quem se manifeste favorável ao espaço. Carlos Alberto,
proprietário do talho de Gondarém, defende que o “parque gerará mais
benefícios do que prejuízos. Com toda a construção que se fez nesta
zona, não há espaços de estacionamento suficientes. Há sempre muitos
carros estacionados na rua”, salienta o comerciante. A decisão cabe,
agora, à vereação.

http://jn.sapo.pt/2006/05/02/porto/parque_gondarem_reune_consenso.html

===========================
==========================
Para se desligar ou religar veja informações no rodapé da mensagem.

O arquivo desta lista desde o seu início é acessível através de
http://groups.yahoo.com/group/pned/

Se quiser consultar os boletins anteriores veja
http://campoaberto.pt/boletimPNED/

==========================
INFORMAÇÃO SOBRE O BOLETIM INFOPNED:

Acima apresentam-se sumários ou resumos de notícias de interesse
urbanístico ou ambiental publicadas na edição electrónica do Jornal
de Notícias e d’O Primeiro de Janeiro (e ocasionalmente de outros
jornais ou fontes de informação).

Esta lista foi criada e é animada pela associação Campo Aberto, e
está aberta a todos os interessados sócios ou não sócios. O seu
âmbito específico são as questões urbanísticas e ambientais do
Noroeste, basicamente entre o Vouga e o Minho.

Selecção hoje feita por Maria Carvalho

=============== PNED: Porto e Noroeste em Debate ===============

Para difundir mensagens escreva para: pned@yahoogrupos.com.br

Neste grupo não são permitidas mensagens com anexos.

Para assinar a lista envie mensagem sem assunto para: pned-subscribe@yahoogrupos.com.br e com o corpo da mensagem vazio.

Para cancelar a assinatura envie mensagem em que o único texto é “unsubscribe PNED” (sem assunto/subject) para: pned-unsubscribe@yahoogrupos.com.br

Para contactar directamente os coordenadores da lista envie mensagem a: pned-owner@yahoogrupos.com.br

Se quiser informar-se das várias possibilidades para a leitura das suas mensagens ou da forma de alterar os seus dados pessoais, pode consultar:

http://br.groups.yahoo.com/group/pned/

=============== PNED: Porto e Noroeste em Debate ===============

Imprimir esta página Imprimir esta página

Categorias: Boletim

Deixar comentário