• Ago : 11 : 2014 - Apelo ao boicote de alimentos com milho transgénico
  • Nov : 23 : 2011 - Petição pela salvaguarda das Sete Fontes
  • Jul : 6 : 2011 - Perigo para Paisagem Protegida Valongo
  • Jun : 17 : 2010 - Corte de Árvores na Circunvalação – resposta da C.M. Porto
  • Jun : 15 : 2010 - Corte de Árvores na Circunvalação

Conjunto da Praça da Liberdade, Avenida dos Aliados e Praça do General Humberto Delgado
Protecção
Grau -Em vias de classificação
Decreto – Desp. de 28 de Setembro de 1993

«Nota Histórico-Artística
A actual Praça da Liberdade designou-se primitivamente por Casal ou Lugar de Paio de Novais, Sítio ou Fonte da Arca, denominando-se, mais tarde, por Quinta, Campo ou Sítio das Hortas. Foi ainda Lugar ou Praça da Natividade, Praça Nova das Hortas, Praça da Constituição e de D. Pedro IV e, mais recentemente, Praça da República.
(…) Em 1718 novo projecto foi lançado, cuja realização teve início quando “o cabido da Sé cedeu a 17 de Fevereiro de 1721 terrenos seus expressamente para uma praça”. Novas ruas foram então abertas – a rua do Laranjal das Hortas (futura rua dos Lavadouros, hoje desaparecida) e a rua da Cruz (actual rua da Fábrica).

Da concretização deste projecto resultaria a Praça Nova das Hortas (ou só Praça Nova) limitada a Norte por dois palacetes (desaparecidos), onde funcionaram os Paços do Concelho até 1915; a Sul pela muralha fernandina, destruída mais tarde em 1788 e substituída por um conjunto monumental – o convento dos Frades de Santo Elói – cuja fachada sobre a praça constitui o edifício “da Cardosa”, só terminado no século XIX, mas obedecendo ao primitivo projecto – a praça “tout-court”. O lado oriental era ocupado pelo Convento dos Congregados, e o lado poente só mais tarde foi edificado.
Durante o século XIX, factores vários – a instalação da Câmara no topo Norte (1819); a inauguração da Ponte de D. Luís (1887); a extensão da via férrea até S. Bento (1896) – contribuem para tornar a Praça definitivamente num importantes centro político, económico e sobretudo social. Em meados daquele século, a Praça era já o “ponto predilecto de reunião dos homens graves da política e do jornalismo, da alta mercância tripeira e dos brasileiros”. Predominavam os botequins: “Guichard”, “Porto Clube”, “Camacho”, “Suíço”, “Europa”, “Antiga Cascata”, “Internacional”, etc., aos poucos desaparecidos em consequência da profunda reestruturação daquela área, onde as entidades bancárias, companhias seguradoras ou escritórios conquistaram o seu espaço.

As obras da Avenida iniciaram-se no dia 1 de Fevereiro de 1916 com a demolição do edifício que serviu de Paços do Concelho, a norte da Praça da Liberdade, acompanhada do desaparecimento das ruas do Laranjal, de D. Pedro, etc. Ao cimo da Avenida erguem-se os modernos Paços do Concelho, edifício em granito e mármore levado a cabo pela primeira vereação republicana saída do 5 de Outubro de 1910. Foi um projecto do arquitecto Correia da Silva (1920). No seu todo, resultou um conjunto urbano monumental, de particular interesse histórico e artístico. AAM»
Ler texto completo no site do IPPAR

Ver : Lista de Património edificado -concelho do Porto/ 263- wikipedia)

Imprimir esta página Imprimir esta página

Um comentário até agora.

  1. Anonymous diz:

    O Porto (a ir para a frente estas obras) ficara na historia como a cidade que no seculo xxi arrasou voluntaria e deliberadamente o que tinha de unico e insubstituivel, destruindo a sua avenida e praca centrais. sinto me incosolavelmente triste por mim, por nos e pelos meus netos
    avô MD

Deixar comentário