• Ago : 11 : 2014 - Apelo ao boicote de alimentos com milho transgénico
  • Nov : 23 : 2011 - Petição pela salvaguarda das Sete Fontes
  • Jul : 6 : 2011 - Perigo para Paisagem Protegida Valongo
  • Jun : 17 : 2010 - Corte de Árvores na Circunvalação – resposta da C.M. Porto
  • Jun : 15 : 2010 - Corte de Árvores na Circunvalação

«Essa emblemática estátua foi fundida em Bruxelas, por volta de 1860, pelo escultor francês Calmels e custou cerca de 30 contos de réis (30.000$000 réis), uma pequena fortuna para a época, tendo em conta que o rendimento mensal médio de um operário não atingiria os 6$000 réis. Grande parte destes custos foram pagos através de subscrição pública, pela burguesia da cidade, o que revela bem o poder económico do Porto, em meados do século XIX.O motivo principal para a encomenda do monumento foi a celebração do trigésimo aniversário do desembarque liberal. Assim, no Verão de 1862 foi colocada em plena Praça Nova (depois Praça de D. Pedro e hoje Praça da Liberdade) a primeira pedra do pedestal. Contudo, a estátua só seria inaugurada em 1866, mais precisamente no dia 19 de Outubro, com a presença do rei D. Luís, neto do próprio D. Pedro IV. (…)»
(In Aere perennius , por Mário Bruno Pastor, Setembro 2004)

«…Nesta altura, a placa central ainda era quadrada, e o rei, sozinho no seu cavalo, ainda não tinha que partilhar a sua antiga praça com as mãos cheias de automóveis que diariamente ocupam o lugar.
Ao longo do século XX, a Praça foi definhando e, de centro económico, social, político administrativo e simbólico, passou a placa giratória de trânsito, cruzada apenas pela população na pressa de um café ou de picar o ponto no emprego.
O rei, contudo, manteve-se firme enfrentando o Sul e liderando o Porto, ainda que algumas mentes brilhantes o quisessem afastar do lugar (e até, espantem-se, virá-lo ao contrário!), retirando-lhe a austral iluminação solar e a carga histórica de afrontamento ao absolutismo lisboeta, onde está desde 1866 ao leme da Invicta cidade, como ele próprio epitetou. Não merecerá o rei, que doou o seu coração à cidade, o seu nome na toponímia portuense? (…) »
( In O Porto e a República , por Jorge Ricardo Pinto, Outubro 2004)


Praça da Liberdade, Julho 2005 -(adenda: Praça da Liberdade, Dezembro 2005 ;-(

Ler, a propósito: “O valor da praça-avenida” – por José Rio Fernandes (22/07/05)
(arquivado em: ALIADOS- FOTOS * ALIADOS-HISTÓRIA )

Imprimir esta página Imprimir esta página

Deixar comentário